Talvez você se pergunte: o que preciso fazer para ser salvo? Essa pergunta é genuína, mas algumas vezes, tal questionamento foi feito a Jesus apenas com a finalidade de testá-lo. Sabiamente, o Senhor discerne o coração humano e lida com cada um de nós segundo as verdades internas que até mesmo desconhecemos. Ele reconhece a nossa sinceridade e também os nossos enganos, e melhor, joga verdade e luz sobre as trevas.

Há uma história que foi contada por Jesus em certa ocasião quando um mestre da Lei o questionou a respeito da vida eterna e de como ser salvo. Infelizmente, em tal episódio não havia sinceridade. Tudo o que o intérprete desejava era encontrar algo para acusar a Jesus. Mesmo assim, sabendo que tais questões eram reais, Jesus aproveitou a ocasião para ensinar sobre eternidade e amor verdadeiro.

“E eis que certo homem, intérprete da Lei, se levantou com o intuito de pôr Jesus à prova e disse-lhe: Mestre, que farei para herdar a vida eterna? Então, Jesus lhe perguntou: Que está escrito na Lei? Como interpretar? A isto ele respondeu: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento; e: Amarás o teu próximo como a Ti mesmo.” Lucas 10.25-27

Jesus contou a história para ensinar importantes princípios do reino de Deus e como ser salvo. Você também ama quando Ele faz isso? Instrui de forma simples e direta? Ele disse que um homem caiu nas mãos de ladrões, ficando ferido pela estrada, sem condições para prosseguir no caminho, roubado, desnudo, extremamente machucado. O homem estava quase morto!

Então, a história continua com o sacerdote e depois um levita vendo o homem ferido no chão, mas se esquivaram, passando longe. Aqueles que representavam a Deus, não conseguiram ter o coração movido a favor de um irmão. Será que, de alguma forma, também não agimos assim em determinadas circunstâncias? Há tantas pessoas feridas em nossos caminhos, roubadas, quase mortas, mesmo que não sempre seja literal. 

Jesus continua nos ensinando

Jesus continuou contando a história, dizendo que o samaritano agiu de forma diferente. Na ocasião, ele resolveu se envolver naquele “negócio estranho”. Compadeceu-se, pagou do próprio bolso o valor equivalente a dois meses de pensão, para que o homem quase morto pudesse ser trazido de volta à vida. Quem é o nosso “próximo” nessa jornada em que estamos vivendo até a Eternidade? Confesso que me sinto desafiada a amar. Algumas vezes me sinto tão seca. Tão fria e sem paciência com aqueles que estão ao meu lado. Dá trabalho parar o nosso próprio caminho, não é verdade? Andar mais devagar para acompanhar o passo do outro? Passar óleo e vinho em ferimentos alheios e dispor dos nosso recursos financeiros para demonstrar o amor que é real?

Os samaritanos eram considerados a escória para os judeus, mas Jesus, lhe dera lugar de destaque. “Certo samaritano, que seguia o seu caminho, passou-lhe perto e, vendo-o, compadeceu-se dele. E, chegando-se pensou-lhe os ferimentos, aplicando-lhes óleo e vinho, e, colocando-o sobre o seu próprio animal, levou-lhe para uma hospedaria e tratou dele. No dia seguinte, tirou dois denários e os entregou ao hospedeiro, dizendo: Cuida deste homem, e, se alguma coisa gastares a mais, eu to indenizarei quando voltar. Qual destes três te parece ter sido o próximo do homem que caiu nas mãos dos salteadores? Respondeu-lhe o intérprete da Lei: O que usou de misericórdia para com Ele. Então, lhe disse: vai e procede tu de igual modo.” Lucas 10.33-37

Significado da Salvação

A Salvação é amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos, isto é, amar de forma genuína. E, mesmo que seja desafiador, não é apenas um “esforço” humano, feito com nossos braços, mas é a graça de Deus jorrando em nós quando não temos o que dar. É o fruto do Espírito Santo crescendo todos os dias: “afeição pelos outros, uma vida cheia de exuberância, serenidade, disposição de comemorar a vida, um senso de compaixão no íntimo e a convicção de que há algo de sagrado em toda a criação e nas pessoas.” (Gálatas 5.22-23). É Jesus ensinando a amar como Ele ama.

Começamos este devocional falando sobre perguntas feitas com intenções equivocadas. Se Jesus respondeu com profundidade ao intérprete da Lei que apenas queria testá-lo, imagine como Ele age com o sincero de coração. Sim, nossa ânsia pela verdade será satisfeita. Ele é bom e sabe como nos ensinar. Que hoje, possamos usar de misericórdia para àqueles que O Senhor colocar em nosso caminho. E que possamos amar o Pai, o Filho e Espírito Santo com todo a intensidade da nossa alma.

“… Mestre, o que preciso fazer para ter a vida eterna?” Ele respondeu: “O que está escrito na Lei de Deus? Como você a interpreta?” Ele disse: “Ame o Senhor seu Deus com toda a paixão, toda a fé, toda inteligência e todas as forças; e ame ao próximo como a você mesmo.” “Boa resposta!”, disse Jesus: “Faça isso e viverá.”” Lucas 10.25, 26, 28

Nayla Cintra

Nascida em Mato Grosso, Nayla é missionária em tempo integral desde 2011, tendo já servido durante 4 anos na JOCUM (Jovens Com Uma Missão) e quase 2 anos como missionária intercessora no FHOP (Florianópolis House of Prayer). Atualmente dedica uma parte do seu tempo para ensinar artes para crianças em uma ONG em Florianópolis e outra parte do tempo para trabalhar com justiça social, com foco em tráfico humano. Nayla carrega um coração para pessoas em situação de vulnerabilidade social, ama o mundo artístico e criativo, é apaixonada por missões, mas tem como maior desejo ver o nome de Jesus sendo conhecido entre todos os povos e tribos da Terra.

Deixe uma resposta

×
×

Carrinho

Fechar