Fomos escolhidos à dedo, assim como os patriarcas. Quando medito na genealogia do Messias, encontro nela nomes como os de Tamar, Raabe, Rute e até de Bate-Seba, que é mencionada como “a que foi mulher de Urias”.

E Judá gerou, de Tamar, a Perez e a Zerá;…E Salmom gerou, de Raabe, a Boaz; e Boaz gerou de Rute a Obede; e Obede gerou a Jessé; E Jessé gerou ao rei Davi; e o rei Davi gerou a Salomão da que foi mulher de Urias.” Mt. 1.3-7

Por este motivo, me sinto aceita, incluída. Igualmente, toda sensação de inadequação desaparece, quando vejo esses nomes na linhagem de Jesus. Percebo ao longo da história que Deus escolheu os que não são para confundir os que são, como afirma o texto de I Co. 1.27.

Determinados trajetos de nossa jornada, parecem conspirar contra os sonhos que Deus nos deu, isto é, nos levam a questionar nossa eleição. É precisamente nesta estação, que temos que  lembrar que fomos escolhidos em Jesus. Portanto, nosso braço não sustenta essa escolha.

Creio que o Espírito Santo tem senso de humor, e nas narrativas bíblicas encontro essas pitadas de humor que revelam o caráter redentivo de nosso Salvador. Para Ele, não importa quão perdidos estejamos, desde que tenhamos humildade de pedir socorro. Olhar para Ele e crer que Ele pode é suficiente.

Os escolhidos não possuem “pedigree” ou um currículo brilhante. Semelhantemente, nossa eleição em Jesus é inclusiva e não exclusiva. Ele é a pessoa que se coloca entre nós e o Pai tornando esse relacionamento possível. Por isso, acessamos o Pai, não sem sangue.

Essa verdade precisa, contudo, ser realçada com frequência. As distrações, bem como as lacunas de nossa identidade, nos afastam deste relacionamento dependente de Jesus. Deus não precisa de nossa educação, de nossa aparência ou de nossas finanças para avanço do Reino.

NEle reside toda sabedoria, todo recurso e todo poder necessário para o estabelecimento de Seu Reino. Fomos inseridos nesta família e temos o privilégio de ser co-herdeiros com Jesus de uma herança eterna, o que não é mérito nosso.

Os pescadores, cobradores de impostos, prostitutas e doutores da lei que foram transformados por Jesus, não são diferentes dos órfãos, mães solteiras, filhos bastardos, desempregados ou analfabetos de nossos dias. Por isso, seja qual for sua “linhagem”, saiba que não é ela que o limita ou inclui nos projetos de Deus.

Se tivemos acesso à educação, ou somos oriundos de uma família que nos amou, ou ainda, se temos uma boa condição financeira, tudo isso é legítimo, mas não é pré-requisito para nossa adoção. Em Jesus, o órfão e o filho desejado foram escolhidos e possuem o mesmo valor.

Portanto, não use qualquer justificativa para explicar sua condição de filho que não seja o próprio Jesus. Paulo entendeu isso quando declarou:

Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo.” Gl. 6.14

“Porquanto não há distinção entre judeu e grego; porque o mesmo Senhor o é de todos, rico para com todos os que o invocam.” Rm. 10.12

“Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus.” Gl. 3.28

Grace

Grace Wasem, gaúcha, atuou como secretária no mercado de trabalho por 30 anos. Em 2016 vinculou-se ao FHOP como missionária tempo integral. Sonha ver e contribuir para o treinamento de uma noiva apaixonada que clama: Maranatha!
×
×

Carrinho

Fechar