Como cristãos, uma das coisas das quais precisamos nos livrar, é da dicotomia entre “sagrado” e “secular”. E isto tem tudo a ver com nossa cosmovisão. Isto é, a forma como “vemos” o mundo. Dicotomia é uma palavra de origem grega que nos dá a ideia de divisão entre dois elementos. Ela é formada pela junção de “dikho” (dois) e “tomia” (cortar) sendo traduzido como “cortado em duas partes.”

Assim pois, quando pensamos em  algo dicotômico, pensamos em elementos opostos entre si. Por exemplo: corpo e alma, sagrada e secular, mundo e igreja. A verdade é que muitos dos conceitos que carregamos, não são respaldados pelo que a Bíblia ensina. Mas, herdamos essas ideias de nossa “cultura religiosa”.

Jesus nos diz que somos a luz do mundo. Que uma cidade não pode ser escondida sobre um monte. E que a luz tem o papel de iluminar os que se encontram em trevas. A luz clareia todo o ambiente e expulsa a escuridão. Quando homens veem as boas obras dos salvos, o testemunho de Jesus se faz glorioso entre eles.

“Vós, sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre o monte; nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa. Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam suas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está no céus.” Mateus 5.14-16

E se a igreja sumisse?

Que diferença faria se a sua ou a minha igreja desaparecessem? Seria notado o nosso sumiço? Ou a nossa existência tem passado despercebida? Provavelmente, se uma padaria ou uma bar fossem retiradas de seu endereço atual, causaria um tanto de alvoroço para seus clientes, não é mesmo? E, nós como “povo de Deus”? Que tipo de impacto temos causado em nossa rua, bairro e arredores? Apenas barulho e incomodação ou de fato mudanças e relacionamentos? Temos sidos testemunhos vivas de Cristo?

Houve momentos na história em que acreditamos que, como cristãos, não era preciso nos preocuparmos com a estrutura da sociedade. Para alguns, esse não é nosso papel, mas que devíamos nos concentrar apenas na salvação da alma. E que a medida que salvação acontecesse, a sociedade melhoraria.  

Por outro lado, temos aqueles que acreditam que não importa o que fazemos, pois as coisas continuarão piorando, então, apenas foquemos na eternidade. Segundo Don Grattus, esse tipo de pensamento causou a “teologia da retirada”, um afastamento deliberado do “mundo” e a criação de uma subcultura “religiosa”.

Impacto Social e mudanças relevantes

Há poucos dias, estive em uma palestra de um ativista social cristão. Ele contou seu testemunho de como começou a se envolver em movimentos sociais e se tornou um mobilizador de voluntários em prol da sociedade civil.

Tudo começou quando esse irmão foi “confrontado” por um vizinho. Ele conhecia detalhadamente como funcionava a célula em seu apartamento, pois narrou todos os detalhes do encontro. O vizinho, de fato, pontuou que apesar de todo “barulho” e “comilança”, nunca tinha visto eles fazerem nada além disso. É claro que estou contando tudo de forma bem resumida.

Mas o “confronto” gerou uma atitude extremamente positiva naquele grupo. Tinha ocorrido uma enchente e o grupo decidiu escrever e-mails para suas listas de contatos. Com a finalidade de levantar recursos para comprar colchões para os desabrigados. Que grande surpresa! Em poucos dias conseguiram levantar uma grande quantia em dinheiro, bem maior do que imaginavam. Então, eles se tornaram resposta para uma calamidade. Além disso, aquela experiência mudou radicalmente a cosmovisão de muita gente.

Abraçando uma teologia de comprometimento

Don Grattus é um missionário que trabalha com povos muçulmanos envolvidos em uma cultura arraigada em corrupção. Ele tem paixão pelo tema de transformação e conta o testemunho de como impacto pode ser gerado quando abraçamos uma teologia de comprometimento. Ele afirma:

“Abracei uma teologia de comprometimento, que rejeitava a dicotomia entre “sagrado” e “secular” e insistia em que Deus é soberano sobre todas as áreas da vida, e que Sua verdade deveria ser aplicada em todos os setores da sociedade. Era uma teologia de vitória (não de retirada) que declarava que mesmo uma pequena minoria de cristãos, se realmente comprometida com a Palavra, podem fazer uma diferença substancial na sociedade. Mas não era utopia, pois reconhecia que perfeição jamais será alcançada nesta era e que, cada geração de cristãos deve renovar seu compromisso de expressar a verdade bíblica em sua nação.” Don Grattus

Contextualizando nossa cosmovisão

Como vocês sabem, nossa sala de oração aqui na fhop é o coração do nosso “trabalho”. Acreditamos que Deus nos chamou para ter um relacionamento profundo de amor com Ele. Como Maria, sabemos que apenas “uma coisa” nos é necessária. Uma coisa é estar com Ele. Uma coisa é andar como Jesus andou. Uma coisa é sermos suas cartas e testemunho vivo.

Não agimos pela força de um braço forte, mas na unção e no poder do Espírito Santo de Deus. Com uma cosmovisão bíblica e arraigada no Senhor. Olhemos para a vida de José que foi um líder em sua época. Olhemos para a vida de Daniel que não contaminou-se com as iguarias do rei. Manteve a fé. E, mesmo na corte foi luz e resposta em muitas ocasiões. Olhemos para a rainha Ester e como foi determinante seu papel em um período de perseguição para os hebreus.

Sua área de influência

Quem sabe você é um político, um professor, um empresário ou mesmo uma dona de casa. Lembre-se: Você pode fazer a diferença mesmo na vida de uma única pessoa. E independente das esferas em que Deus te plantou, você é importante e especial. Dê pequenos passos em fidelidade e observe o Senhor te surpreender. Que a luz de Jesus se manifeste brilhante através da sua e da minha vida. Que possamos andar sobre as águas, assim como Pedro andou. Em fé, em amor ao Senhor, em boas obras e em obediência a Palavra de Deus ordenada. Com uma cosmovisão Bíblica bem clara.

“Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.” 1 Coríntios 10:31

Você tem servido voluntariamente em alguma área da sociedade civil? Tem algum projeto para o social que engloba crianças, jovens, idosos ou algum grupo minoritário? Tem vontade de fazer algo do tipo? Quer saber mais sobre cosmovisão Bíblica? Deixe-me saber como tem sido essa experiência para você e mesmo os seus sonhos para sua cidade e para o Brasil?

Nayla Cintra

Nascida em Mato Grosso, Nayla é missionária em tempo integral desde 2011, tendo já servido durante 4 anos na JOCUM (Jovens Com Uma Missão) e quase 2 anos como missionária intercessora no FHOP (Florianópolis House of Prayer). Nayla carrega um coração para pessoas em situação de vulnerabilidade social, ama o mundo artístico e criativo, é apaixonada por missões, mas tem como maior desejo ver o nome de Jesus sendo conhecido entre todos os povos e tribos da Terra.

Este post tem 8 comentários

  1. Olá Ricardo, fico muito feliz em saber de seu coração. Deus nos adotou e quer que nós mantenhamos o mesmo padrão! Adoção é algo que vem d’Ele. Vamos falar mais desse assunto por aqui? Deus abençoe.

  2. Oi Tatiane, que bom que o seu coração queima em cuidar do próximo. Leia Isaías 58 se puder. Ore ao Senhor pedindo que Ele te “junte” a pessoas e projetos com o mesmo foco. Comece com pequenos passos. Descubra quem você quer ajudar, quais grupos de ações sociais existem em sua cidade ou igrejas locais. Você pode se planejar e dar parte de suas férias para trabalhar em projeto missionário de curto prazo, que tal? Enfim, tem muitas coisas que você pode fazer… e que Deus sopre criatividade sobre nós! Deus abençoe.

  3. Oi Rodrigo, isso mesmo. Precisamos ir fundo nesses temas e descobrir qual é o nosso papel. Fique com Deus.

  4. Obrigada Sidney, que o Senhor continue nos ensinando o que está em Seu coração. Deus abençoe!

  5. Obrigado FHOP por compartilhar esses textos maravilhosos

  6. Creio que a arte é uma forma de aproximar as pessoas de Deus, mas concordo que nossa fé respira por aparlehos, devido não estarmos equilibrando nossa pregação com diretas e pessoais

  7. meu coracao tem se inclinado por obras sociais. mas nao sei nem pode começar

  8. É um assunto que me interessa muito, pois tenho um anseio pela crianças que estão em condições de orfandade. Gostaria de me informar mais sobre esse assunto.

Deixe uma resposta

×
×

Carrinho

Fechar